segunda-feira, setembro 27, 2004

 

155 - PHILIP ROTH, ainda

Excerto do comentário de Eduardo Prado Coelho, publicado no suplemento "Mil Folhas", Público de 25.09.2004

Todos nós temos escritores que admiramos sem reservas, mesmo quando eles produzem obras menores. Ninguém escreve sempre obras-primas e todos sabemos que um percurso é feito de intermitências. Amar um escritor é ser capaz de aceitar essa cadência e considerar que estamos do lado dele nos bons e nos maus momentos. A obra de Philip Roth é desde há muito uma das minhas obsessões. Cada um dos seus livros dá-me uma alegria incondicional. Alguns são verdadeiras criações de primeiro plano: "O Teatro de Sabbath", "A Culpa Humana" e sobretudo essa obra-prima entre as obras-primas que é "A Contravida" estão neste caso. Outras são momentos de confidencialidade, desabafos existenciais, fragmentos de uma autobiografia sempre entrevista e sempre iludida. São as pedras com que se constroem os primeiros.

Comments:
best regards, nice info »
 
best regards, nice info film editing classes
 
You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it 1996 pontiac gran am engine information Propecia in saw Covert buick Weight gain after stopping lexapro Search engine positioning firm chuuk
 
Enviar um comentário

<< Home